28 de junho de 2008

ÍNTIMO


Minha cor preferida é branca.
E todo azul, que é céu, ou mar
Me encanta.
Me mata.
Fascina.

Meu amor preferido é simples.
E todo blues, ou jazz, que é triste
Me ensina.
Me alucina.
Transforma.

Minha vida preferida é torta.
E todo caminho, que é passagem, ou porta
Me desvia.
Me encaminha.
Perdido.

Meu sonho preferido é voar.
E toda asa, ou sonho, que é lindo
Me tira.
Me inspira.
Deliro.

Minha lira preferida é livre.
E toda métrica, que é corrente, ou regra
Me esconde.
Me mente.
Tortura.

Meu poeta preferido é rimado.
E toda poesia, ou prosa, que é frio
Me aquece.
Me esquece.
Ardor.

Todo verso que inspira e cospe - amor, é meu; sou eu.

(Max da Fonseca)

4 comentários:

Luci Valois disse...

E todo o seu ser...É poesia....
Lindo poema !!!
bjs,


Obrigada por compartilhar....

estrada de sol disse...

meu poema preferido é aquele que ainda não escreveram, por isso gosto tanto dos poetas ...

abçs Max-poeta!
Carol

Gerrard disse...

"público"

Jose Araujo disse...

Max, sua poesia é linda e toca o mais intimo de meu coração. Palavra por palavra que sai de seu coração!

Parabéns pelo talento e sensibilidade que faz de teus poemas um lugar incomum.

Abração!

Jose Araujo


A Xícara está de pé!