7 de abril de 2008

As Vertigens de um Olhar na Solidão

AS VERTIGENS DE UM OLHAR NA SOLIDÃO

Magro, de tanto ficar em pé nesse terminal
Certos trens não chegam nunca - foram partidos
Todos idos e sem volta; cansei, vou contornar
Cantarolar a canção mais triste e partir desiludido

O meu destino foi vendido em um restaurante barato
Em leilão arrematado por alguns trocados sem valor
É tudo que sou. Cachaça bebida em um beco por artistas
Tragado no lixo de um cigarro mal fumado

Estou cansado! Confesso: Cansado! -nocauteado no chão
Os braços por meses esticados a clamar um abraço
Agora se retraem e enfim entrelaçam-se em si
Está tão frio... Tão frio... E eu aqui submerso em solidão

A vitrola cansada não mais me canta o que peço pra ouvir
Ouço vozes roucas a gargalhar meu sofrimento - corvos
Gira eu, gira o mundo, em um momento só meu - tortos
Sem nenhum espaço pra mais nada que não seja eu - egoísmo

Nenhum quarto de segundo me foi dado - cruel tempo
Murcharam-se rosas e aguçaram-se espinhos; todos armados
Dispararam em um tiro no alvo (caído alvo).
Ficou a pólvora no chão e um romance inacabado

(Max da Fonseca)

6 comentários:

Max da Fonseca disse...

Basta, Coração!


Onde jaz, coração, meu peito é morto.
Uma pétala pálida - eis a pele.
Em ardências de vela esvai-se o corpo.
Do porto inútil parte um sol de neve.

Horizontalizaram-se as ladeiras.
Os horizontes viram-se sem prumo.
Os fios desaliaram-se das teias.
O Deus de todos debandou do mundo.

Quanta lágrima súbita? Nenhuma.
O mesmo pranto paira e espraia a bruma.
Mas o olhar sobra ao choro cego e vê.

Nem sei se a vida vale a flor que espreito.
Coração, tem-me à força em dor sem jeito.
Eu morro de vergonha de você.

(Luís Antonio Cajazeira Ramos)

Lady Crisálida disse...

Nos longos e enganadores dias e noites de ócio, oscilação de comportamento, horizontes nebulosos e sem prespectivas, chegam a mim todos os rostos e palavras que são tão seu....Minhas folhas e minhas flores nas vertigens de teu olhar sobre a solidão!
Como podemos florir se certas vezes estamos tão só!!!
beijos.

Anônimo disse...

Se as flores murcharam,
é impressão sua

:*

Thiers R> disse...

" - Os braços por meses esticados a clamar um abraço
Agora se retraem e enfim entrelaçam-se em si - "

Max,

Poetando no teu pensamento


Se murcharem as flores
que importa?
importam os sentidos
encontro-me
no meu canto...
Se as flores murcharem
ficam as palavras
pensamento
cobertor putrefato
Se essas flores murcharem
terei meu abraço
eterno abraço
que busquei
único e forte abraço
que me dei

Creio que consegui explicar como percebi teu poema.
forte abs vivo..
Thiers

Dumuro disse...

See Please Here

Max da Fonseca disse...

Amor próprio é o início de um amor pra vida toda, Thiers.


A Xícara está de pé!